Por que a imprensa não fala do PSOL na Lava Jato?

Um mistério ronda as redações dos grandes jornais: por que ninguém fala da presença de Luciana Genro(PSOL) na lista de políticos delatados pela Odebrecht? Além dela, também figura Leonel Brizola Neto, descendente direto do inepto caudilho gaúcho e colega de partido.

Uma breve pesquisa no google com os indexadores “Luciana Genro” e “Odebrecht” demonstra isso. Na pesquisa, recebemos apenas notícias advindas da blogosfera financiada pela Odebrecht ( Carta Capital), pelo PT (Viomundo) ou blogs independentes como o Antagonista, Folha Política e este Jornalivre.

Além deles, vemos também a mídia local de Porto Alegre, o Zero Hora – que conta com editorial bastante amigável à Psolista – oferencendo seu espaço para a tese de defesa da filha de Tarso Genro.

Prêmio “Congresso em foco”

Não é de hoje que a mídia é entusiasta do pequeno partido pró-ditadura. Ao longo dos últimos anos, os prêmios de “melhor parlamentar” oferecidos pelo site Congresso em Foco – cujos jurados são justamente os jornalistas – terminam invariavelmente nas mãos dos congressistas socialistas.

A boa vontade dos nossos jornalistas com a turma do socialismo chic contrasta com a enxurrada de Fake News e perseguições orquestradas pela grande mídia contra lideranças da nova direita – em especial com o MBL, o deputado Jair Bolsonaro e o prefeito de São Paulo João Dória Jr.

Jornalistas políticos soltando a franga.

Perseguição à direita

Para Renan Santos, do MBL, “existe uma má-vontade prévia advinda dos jornalistas dos grandes veículos“. Para ele, “tal perseguição ganha corpo em matérias mentirosas como as feitas contra mim (Renan) pelo UOL e aquele história ridícula de “caixa 2” do Holiday“. Ambas as histórias contaram com ampla repercussão da grande imprensa, que transformou suposições inexpressivas e fatos sem verificação em material para atacar o Movimento. Segundo Renan “o mesmo acontece com João Doria Jr, alvo de matérias ridículas da Folha de São Paulo, como quando foi “flagrado” sem cinto de segurança (e o carro parado) fazendo um vídeo.”

Mídia com partido

As eleições americanas já demonstraram previamente que a imprensa se comporta como um partido político, tomando lado junto à esquerda para defender seus candidatos. Além disso, a interferência de ONGs e investidores com interesses políticos no setor – como é o caso da Open Society Foundation de George Soros – tornam tudo ainda mais nebuloso.

Com a credibilidade em baixa, a velha imprensa vem perdendo espaço para veículos alternativos e para as redes sociais. Tal queda também é evidenciada em suas vendas e faturamento, que as tornam ainda mais dependentes de investidores com interesses políticos ou do governo – que já provia farta distribuição de benesses desde o governo Lula.